CEC: carcinoma espinocelular

Segundo tipo de câncer de pele mais freqüente, o carcinoma espinocelular CEC, mais comum em homens, acima dos 50 anos, pele e olhos claros e que não se protegem do sol.

O tumor pode aparecer em qualquer região da pele e das mucosas, em especial em áreas expostas ou a partir de lesões do tipo ceratose solar (uma alteração pré-maligna). Cicatrizes de queimaduras, radiodermites (queimaduras causadas por excesso de exposição à radioterapia) crônicas e úlceras de estase (feridas nas pernas e pés causadas por má circulação) também podem favorecer o aparecimento do carcinoma espinocelular, que pode ter caráter invasivo e às vezes origina metástases. Ferimentos traumáticos e tabagismo costumam predispor o aparecimento do tumor nos lábios ou nas mucosas.

As lesões do carcinoma espinocelular são ulceradas, rasas e com bordas alargadas, elevadas e endurecidas. Às vezes, mostram-se recobertas por crosta e base granulosa vermelha. As áreas mais atingidas são os lábios inferiores, a face e o dorso das mãos.

Pode eventualmente levar a metástase. Seu tratamento muitas vezes é cirúrgico. Na suspeita, procure um dermatologista da SBD.

Dra. Ana Carolina Antunes
Médica especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia
Pós Graduação em Dermatocosmiatria pela FMABC
Pós Graduação em Tricologia e unhas pela UMC
Preceptora do Serviço de Dermatologia da Universidade de Mogi das Cruzes